O Santuário

Várias etapas marcaram o processo da construção da Matriz. Na década de 70, uma pequena árvore de Natal que foi descuidadamente deixada do lado de fora, na terra, brotou e ninguém cuidou, Quando foi necessária a ampliação do salão do templo, tínhamos um arbusto bem na frente donde seria aberta uma porta. Como já existia certa consciência ecológica, resolveu-se fazer uma pesquisa sobre o destino do arbusto, A decisão do povo foi unânime: a arvorezinha não será retirada. Procurou-se um engenheiro para adaptar a ampliação da igreja a arvore ali existente.

A partir daí, a árvore passou a ser uma referência da Igreja de Santa Rita, atingindo uma altura de mais de 7 metros. No dia 22 de maio de 2004, foi plantado, no lado oposto, um coqueiro recuperado num “LIXO”, para comemorar os 40 anos da Paróquia.

No dia 2 de abril de 2005, dia da morte do Papa João Paulo II, a nossa primeira árvore também estava morta atacada por uma praga chamada “broca”, e foi retirada pelos bombeiros neste dia. Duas tristezas: morte do Papa e da árvore. No dia 19 de Abril de 2005, foi plantada uma nova árvore: a Palmeira Imperial, comemorando a eleição do novo Papa Bento XVI.

No dia 5 de junho do mesmo ano, dia do meio ambiente, oficializamos na paróquia a denominação de SANTUÁRIO ECOLÓGICO, que nos foi dada pela mídia. Pleiteamos o reconhecimento diocesano. As várias reformas ao longo de todos estes anos, fez com que as duas árvores ficassem uma de cada lado do altar, situado no centro da Igreja. Muito verde, no meio de águas e peixes, sol, chuva, terra dentro da Igreja, fazem do nosso templo um autêntico SANTUÁRIO ECLÓGICO.