Ekos do Santuário nº 51

A CRUZ UM CAMINHO SEMPRE NOVO

Ao anunciar a Cruz como a consumação da sua Missão de Messias, em Jerusalém, Jesus é “repreendido” por Pedro, a quem acabara de constituir a “pedra” sobre a qual construiria a Sua Igreja. Que decepção! Pedro pensa a Cruz como o velho castigo para os malfeitores. Mas Jesus está mostrando a Cruz como o Novo Caminho que leva a Páscoa da Ressurreição. Pedro não pensa as coisas de Deus: ”isto jamais lhe acontecerá.”

LONGE DE MIM, SATANÁS

A reação de Jesus é imediata: ”sai da minha frente, Satanás, você é para mim uma “pedra” de tropeço.” Pedro se apoderara do “poder” sem entender a Missão: esta é a ação do Demônio, o modo dele “trabalhar” dentro das religiões. Enche de “poder” os seus agentes e responsáveis, esvaziando-os da consciência Missionária. Aí,então, tudo é poder,tudo é glória. Para que “morrer” se um milagre resolve tudo. Os modelos das religiões “milagreiras” tomam conta das nossas televisões: toalhas suadas, CDs, livros, tudo tem poder de cura, milagre e libertação. Basta comprar. É o “marketing” religioso, que vende até o Divino Pai Eterno. Jesus chama esta situação de “Satanás”

PEDRA DE TROPEÇO

É a outra expressão usada por Jesus, quando a Sua proposta,a proposta da sua Igreja, não é compreendida e nem aceita. Vamos entender bem isso: a nossa Arquidiocese, no seu 7º Plano de Pastoral assumiu a Catequese de Iniciação Cristã, como a nova proposta da Igreja para a inserção do Cristão na Comunidade, onde se vive a Fé e se celebram os Sacramentos. Portanto os “cursos” ou “cursinhos” de preparação para os sacramentos, independentes da participação na Comunidade, se tornam “pedras de tropeço” que atrapalham na Construção da Unidade, pela qual Jesus ressuscitou: ”para que eles sejam UM…!”

CATEQUESE RENOVADA

Nos últimos anos a Igreja tem buscado novos rumos e novos métodos para responder aos desafios do tempo presente, no meio de um mundo adverso. Portanto, a Catequese não pode mais ser uma “escola” para receber o diploma de um Sacramento. Não pode se reduzir ao estudo de um livro ou um texto. Por isso a Catequese é “permanente”, um processo sistemático e progressivo da fé e da vida cristã.” Ela é condição indispensável para o conhecimento profundo da Palavra de Deus… um Caminho para o Discipulado, na Formação da Fé Cristã na Família e na Comunidade eclesial. (Documento de Aparecida 244 a 247)

CATEQUISTAS

Para isso é necessário haver maior “atenção” na formação dos Catequistas, tanto por parte da Paróquia que deve oferecer todas as condições para uma formação profunda e permanente, bem como deve haver da parte dos Catequistas uma busca de métodos novos e mais eficientes de Catequizar, hoje, lembrando que a presença e a participação da Família são fundamentais. A nossa Catequese precisa ser “Comunitária, Permanente, Familiar e Libertadora para formar nas Famílias, COMUNIDADES EUCARÌSTICAS MISSIONÀRIAS”.

Deixe uma resposta